cortazar

 

Poema El Breve Amor

EL BREVE AMOR O Amor Breve
Con qué tersa dulzura Com quê tersa doçura
me levanta del lecho en que soñaba Me levanta do leito onde sonhava
profundas plantaciones perfumadas, Profundas plantações perfumadas
me pasea los dedos por la piel y me dibuja Passeia os dedos na minha pele, me desenha
en el espacio, en vilo, hasta que el beso No espaço, suspenso, até que o beijo
se posa curvo y recurrente Repousa curvo e recorrente
para que a fuego lento empiece Para que o fogo lento comece
la danza cadenciosa de la hoguera A dança compassada da fogueira
tejiédose en ráfagas, en hélices, Tecendo-se em rajadas, em hélices
ir y venir de un huracán de humo- Ir e vir de um furacão de fumaça
(¿Por qué, después, (Por quê, depois,
lo que queda de mí O que resta de mim
es sólo un anegarse entre las cenizas É só um inundar-se entre as cinzas
sin un adiós, sin nada más que el gesto Sem um adeus, sem nada mais que o gesto
de liberar las manos ?) De liberar as mãos?)

Breve Resenha do artista:

Romancista e contista argentino nascido na Bélgica (26/8/1914-12/2/1984). Explorando a realidade e a irrealidade, renova a literatura latino-americana de língua espanhola. Sua obra questiona o convencional, procurando um conhecimento que dispense o auxílio da lógica.

Em seus romances, o fantástico tem origem no cotidiano. Nasce em Bruxelas, filho de argentinos, e é educado na Argentina. Começa a trabalhar em Buenos Aires como tradutor e professor secundário. Recusa uma cátedra universitária por divergir da política de Juan Domingo Perón.

Seus pais se separaram  e passou a ser criado pela mãe, uma tia e uma avó. Passou a maior parte de sua infância em Banfield, na Argentina, e não era uma criança totalmente feliz, apresentando uma tristeza frequente. Declararia: “Pasé mi infancia en una bruma de duendes, de elfos, con un sentido del espacio y del tiempo diferente al de los demás”.Cortázar era uma criança bastante doente e passava muito tempo na cama, lendo livros que sua mãe selecionava. Muitos de seus contos são autobiográficos, como Bestiario, Final del juego, Los venenos e La Señorita Cora, entre outros.

Formou-se Professor em Letras em 1935, na “Escuela Normal de Profesores Mariano Acosta”, e naquela época começou a frequentar lutas de boxe. Em 1938, com uma tiragem de 250 exemplares, editou Presencia, livro de poemas, sob o pseudônimo “Julio Denis”. Lecionou em algumas cidades do interior do país, foi professor de literatura na “Facultad de Filosofía y Letras de la Universidad Nacional de Cuyo”, mas renunciou ao cargo quando Perón assumiu a presidência da Argentina. Empregou-se na Câmara do Livro em Buenos Aires e realizou alguns trabalhos de tradução.

Em 1951 auto-exila-se na França, onde mora até a morte, tendo adotado a cidadania francesa em 1982. Estréia na literatura com o poema dramático Los Reyes (1949), já prenunciando a abordagem de temas fantásticos. Publica, entre outros, os livros Bestiário (1951), História de Cronópios e Famas (1962), O Jogo da Amarelinha (1966) e Livro de Manuel (1973).

Sua última obra é Os Autonautas da Cosmopista (1982), escrita em colaboração com sua companheira, Carol Dunlo

 

Anuncios

Comenta aquí / Deixe seu comentário

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s