CarlosDrummondAndrade

Carlos Drummond de Andrade (1902–1987) foi um poeta brasileiro. “No meio do caminho tinha uma pedra / tinha uma pedra no meio do caminho”. Este é um trecho de uma das poesias de Drummond, que marcou o 2º Tempo do Modernismo no Brasil. Foi um dos maiores poetas brasileiros do século XX.

Carlos Drummond de Andrade (1902-1987) nasceu em Itabira de Mato Dentro, interior de Minas Gerais, no dia 31 de outubro de 1902. Filho de Carlos de Paula Andrade e Julieta Augusta Drummond de Andrade, proprietários rurais. Em 1916, ingressou em um colégio interno em Belo Horizonte. Doente, regressou para Itabira, onde passou a ter aulas particulares. Em 1918, foi estudar em Nova Friburgo, no Rio de Janeiro, também no colégio interno.

Em 1921, começou a publicar artigos no Diário de Minas. Em 1922, ganha um prêmio de 50 mil réis, no Concurso da Novela Mineira, com o conto “Joaquim do Telhado”. Em 1923 matricula-se no curso de Farmácia da Escola de Odontologia e Farmácia de Belo Horizonte. Em 1925 conclui o curso. Nesse mesmo ano casa-se com Dolores Dutra de Morais. Funda “A Revista”, veículo do Modernismo Mineiro.

Drummond leciona português e Geografia em Itabira, mas a vida no interior não lhe agrada. Volta para Belo Horizonte, emprega-se como redator no Diário de Minas. Em 1928 publica “No Meio do Caminho”, na Revista de Antropofagia de São Paulo, provocando um escândalo, com a crítica da imprensa. Diziam que aquilo não era poesia e sim uma provocação, pela repetição do poema. Como também pelo uso de “tinha uma pedra” em lugar de “havia uma pedra”. Ainda nesse ano, ingressa no serviço público como auxiliar de gabinete da Secretaria do Interior.

Em 1930 publica o volume “Alguma Poesia”, abrindo o livro com o “Poema de Sete Faces”, que se tornaria um dos seus poemas mais conhecidos: “Mundo mundo vasto mundo se eu me chamasse Raimundo seria uma rima, não seria uma solução”. Faz parte do livro também, o polêmico “No Meio do Caminho”, “Cidadezinha Qualquer” e “Quadrilha”.

Em 1934 muda-se para o Rio de Janeiro e assume a chefia de gabinete do Ministério da Educação, do ministro Gustavo Capanema. Em 1942 publica seu primeiro livro de prosa, “Confissões de Minas”. Entre os anos de 1945 e 1962, foi funcionário do Serviço Histórico e Artístico Nacional.

Em 1946, foi premiado pela Sociedade Felipe de Oliveira, pelo conjunto da obra. O Modernismo exerceu grande influência em Carlos Drummond de Andrade. O seu estilo poético era permeado por traços de ironia, observações do cotidiano, de pessimismo diante da vida e de humor. Drummond fazia verdadeiros “retratos existenciais” e os transformava em poemas com incrível maestria. Carlos Drummond de Andrade foi também tradutor de autores como Balzac, Federico Garcia Lorca e Molière.

Em 1950, viajou para a Argentina, para o nascimento de seu primeiro neto, filho de Julieta, sua única filha. Nesse mesmo ano estreia como ficcionista. Em 1962 se aposenta do serviço público mas sua produção poética não para. Os anos 60 e 70 são produtivos. Escreve também crônicas para jornais do Rio de Janeiro. Em 1967, para comemorar os 40 anos do poema “No Meio do Caminho” Drummond reuniu extenso material publicado sobre ele, no volume “Uma Pedra no Meio do Caminho – Biografia de Um Poema”.

Carlos Drummond de Andrade faleceu no Rio de Janeiro, no dia 17 de agosto de 1987, doze dias depois do falecimento de sua filha, a escritora Maria Julieta Drummond de Andrade.

Amar Amar
Que pode uma criatura senão, ¿Qué puede un humano sino,
entre criaturas, amar? entre humanos, amar?
amar e esquecer, Amar y olvidar,
amar e malamar, amar y detestar,
amar, desamar, amar? ¿amor, desamor, amar?
sempre, e até de olhos vidrados, amar? ¿Siempre, y aun con ojos vidriosos, amar?
Que pode, pergunto, o ser amoroso, ¿Qué puede, pregunto, el ser amoroso,
sozinho, em rotação universal, senão solitario, en rotación universal, salvo
rodar também, e amar? girar y amar?
amar o que o mar traz à praia, Amar lo que el mar trae a la playa
e o que ele sepulta, e o que, na brisa marinha, y lo que él sepulta, y lo que, en la brisa marina,
é sal, ou precisão de amor, ou simples ânsia? ¿es sal, amor preciso o simple anhelo?
Amar solenemente as palmas do deserto, Amar, de modo solemne, a las palmas del desierto,
o que é entrega ou adoração expectante, a lo que es entrega o adoración expectante,
e amar o inóspito, o áspero, y amar lo inhóspito, áspero,
um vaso sem flor, um chão de ferro, un vaso sin flor, un suelo de hierro,
e o peito inerte, e a rua vista em sonho, e uma ave de rapina. el pecho inerte, la calle vista en sueños, y un ave de rapiña.
Este o nosso destino: amor sem conta, Es nuestro destino: amar sin ataduras,
distribuído pelas coisas pérfidas ou nulas, repartido en las cosas pérfidas o nulas,
doação ilimitada a uma completa ingratidão, donación eterna a la completa ingratitud,
e na concha vazia do amor a procura medrosa, y en la concha huera la búsqueda
paciente, de mais e mais amor. temerosa, paciente de más amor.
Amar a nossa falta mesma de amor, e na secura nossa Amar nuestra carencia y desde nuestra aridez,
amar a água implícita, e o beijo tácito, e a sede infinita. amar el agua implícita, el beso tácito y la sed infinita.

Traducción al español: Aline Fagundes

Anuncios

2 comentarios sobre “Poema “Amar”. Autor Carlos Drummond de Andrade. Traducción al español Aline Fagundes

Comenta aquí / Deixe seu comentário

Introduce tus datos o haz clic en un icono para iniciar sesión:

Logo de WordPress.com

Estás comentando usando tu cuenta de WordPress.com. Cerrar sesión / Cambiar )

Imagen de Twitter

Estás comentando usando tu cuenta de Twitter. Cerrar sesión / Cambiar )

Foto de Facebook

Estás comentando usando tu cuenta de Facebook. Cerrar sesión / Cambiar )

Google+ photo

Estás comentando usando tu cuenta de Google+. Cerrar sesión / Cambiar )

Conectando a %s